Ir para a Home
Segunda-Feira, 22 de Abril de 2024

Segunda onda da Covid-19 puxa freio nas prefeituras goianas



Segunda onda da Covid-19 puxa freio nas prefeituras goianas

Sob argumento de que enfrentam cenário em Condições piores que antecessores, gestores reclamam que tiveram de adiar projetos e cobram um novo auxilio do governo federal

 

Prefeitos que iniciaram seus mandatos em 2021 faziam campanhas imaginando um ano de superação das consequências de um 2020 de pandemia. Quando assumiram, porém, a realidade era outra, com uma segunda onda da Covid-19 ainda mais severa que aquela enfrentada por seus antecessores nos executivos municipais. Gestores goianos reclamam que tiveram que adiar projetos prometidos em seus planos de governo para atender às demandas da Covid-19.

 

Alguns deles também reivindicam que os municípios precisavam de um novo auxílio federal. Isso porque os valores enviados aos prefeitos no ano passado acabaram sendo suficientes apenas para 2020. Como aumento de casos e de internações, os prefeitos têm sentido dificuldade na hora de comprar insumos para manter os hospitais ou até para a manutenção de leitos de UTI, cada dia mais lotadas.

 

Do Entorno do Distrito Federal, o prefeito de Novo Gama, Carlinhos do Mangão (DEM), diz que o desafio é maior neste ano pelo conjunto de fatores: a falta do recurso federal de que dispunham as Prefeituras em 2020 e o surgimento de novas cepas da Covid-19, que aumentaram os índices de contaminação. “Na campanha, não imaginávamos que chegaria a este ponto. Então, temos passado muito aperto. Sem recurso, nossa responsabilidade fica ainda maior", pondera.

 

O prefeito de Jaraguá, da região do Vale de São Patrício, Paulo Vitor Avelar (DEM), conta que os planos feitos na época da eleição eram para o fim da pandemia, com acolhimento de pessoas que já tinham sido contaminadas pelo vírus e sofriam com sequelas, por exemplo. Mas teve que adiar para conseguir concentrar

 

Os esforços nos casos que voltaram a explodir na cidade.

"Eu falo pelos prefeitos do Vale de São Patrício que estamos sofrendo muito", pontua. Ele exemplifica projetos que precisou atrasar: "Como Jaraguá é a cidade da moda, queríamos reativar a feira da indústria e comércio, atrair compradores de roupas. Mas todos os eventos que envolvem aglomeração nós tivemos que manter suspensos."

Decretos

 

De Nova Crixás, o prefeito Lázaro Valdivino (Patriota), também chamado de Paraíba da Farmácia, diz que uma das

principais dificuldades que está tendo que enfrentar é o desgaste causado pela edição de decretos para conter a disseminação do vírus. Ele cita as dificuldades que a populacāo tem enfrentado por conta do fechamento das atividades não essenciais, que foi mais uma vez necessário.

 

"Agora, precisamos comprar medicamentos e não temos recurso, foi todo embora", diz. Segundo ele, faltam insumos para os leitos de UTI, além de máscaras e álcool em gel, tens básicos de prevenção à Covid-19 na rede de Saúde.

 

Marcus Adilson Rinco (DEM), prefeito de Alto Paraíso de Goiás, na região da Chapada dos Veadeiros, conta que

precisou deixar de lado projetos de retomada do turismo, por exemplo, para focar na superação da pandemia da

Covid-19 no município. "Tivemos muitas expectativas frustradas."

 

Dione Araújo (DEM), prefeito de Itumbiara, destaca que os investimentos foram todos para abertura de leitos de UTI. Para ele, seria crucial um auxílio federal pelo menos para manter os municípios até que toda a população esteja vacinada. "Hoje, o que gastávamos em uma semana, se vai em um dia", diz.  

 

Região Metropolitana

 

O prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), diz que, apesar de estar seguindo o plano de governo, é fato que o foco da gestão tem sido a contenção de casos de Covid-19. Ele destaca que um agravante foi o fato de ter perdido O cabeça da chapa, Maguito Vilela (MDB), para a doença ainda em janeiro. "Eu tive que assumir de fato, sabendo, assim, que ainda enfrentaria a pandemia." Cruz diz ainda que o fato da pandemia persistir tem dado muito trabalho, porque toda semana a Prefeitura precisa

revisar decretos de fechamento ou abertura. "Isso traz um prejuízo muito grande para a gestão."

 

Fernando Pellozo (PSD), prefeito de Senador Canedo, diz que, de certa forma, estava preparado, porque é da área da Saúde. Porém ele revela que está preocupado com uma possível falta de recursos e, para isso, tem ido atrás de parcerias com O Estado e com o governo federal.

 

Também da Região 

 

Metropolitana, o prefeito de Trindade, Marden Junior (Patriota), conta que a dificuldade foi encontrar O melhor caminho a seguir, já que a expectativa era outra. Ele diz, ainda, que precisou adiar projetos relacionados à sua proposta de uma cidade inteligente, como o processo de

digitalização da Prefeitura.

 

Municípios goianos receberam R$ 875 mi de auxilio

 

Juntos, os 246 municípios do Estado de Goiás receberam R$ 875.554.872,61 em auxílio federal para enfrentar a Covid-19 em 2020. Os dados são do Ministério da Economia. A ajuda financeira foi . possibilitada pela Lei Complementar 173/2020, aprovada no Congresso Nacional em maio do ano passado, que estabeleceu o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus SARS-CoV-2. 

 

E esse beneficio que os gestores que não tinham mandato em 2020 reivindicam que os municípios tenham em 2021. Segundo relatam os prefeitos, o recurso deu. para suprir apenas as demandas do ano passado relacionadas à Covid-19. A LC estabeleceu, junto, algumas contrapartidas, como a proibição de aumentar a despesa de pessoal, seja por meio de criação de cargos ou de aumento salarial. 

 

No total, para todos os Estados e municípios do País, o governo federal repassou R$ 60 bilhões em 2020 por meio da Lei Complementar. O governo federal, no entanto, não deu sinais de que fará um novo pagamento do tipo. A norma especifica que a ajuda era referente ao exercício do ano passado. Para estender, o Executivo ou o Congresso Nacional teriam de emendar o texto, sugerindo a prorrogação do pagamento. Atualmente, porém, o governo federal tem trabalhado contra o auxílio. O Ministério da Economia, por exemplo, já iniciou um levantamento interno para ver como os recursos foram aplicados pelos entes e, com isso, identificar possíveis transgressões às contrapartidas exigidas

 

Além disso, o Senado começa a trabalhar em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, cujo objetivo inicial era apurar possíveis negligências do governo federal no combate à pandemia, mas que agora também vai investigar os repasses aos Estados municípios. 

 

Fonte: O Popular 

 




NOTÍCIAS RELACIONADAS

POLÍTICA Dr. Rogério disparado na frente para Prefeito de Campos Verdes com 63,2% das Intenções de Voto Dr. Rogério disparado na frente para Prefeito de Campos Verdes com 63,2% das Intenções de Voto
POLÍTICA Vereadores de Alto Horizonte solicitam por Entrega Imediata de Casas Populares do Programa Morar com Dignidade Os vereadores de Alto Horizonte estão empenhados em garantir a entrega rápida das casas populares construídas pelo Programa Morar com Dignidade da prefeitura. Em uma reunião realizada na última quinta-feira (18/04)
POLÍTICA Prefeitura de Santa Terezinha Fortalece Agricultura Familiar com Entrega de Tratores e Sementes BENEFICIO - Ontem (15), a Prefeitura de Santa Terezinha realizou uma importante ação em prol dos pequenos produtores rurais do município.
EDIÇÃO IMPRESSA
COLUNISTAS E ARTICULISTAS


EXPEDIENTE
(62) 98310-3817 Redação
(62)99819-1345 Colunas
contato@imprensadocerrado.com.br

Praça Inácio José Campos Qd. 15-S - Centro.
CEP: 76.510-000 - Crixás - Goiás