Ir para a Home
Quarta-Feira, 17 de Agosto de 2022

Advogada é resgatada após sofrer golpe e passar 6 meses em trabalho forçado



Advogada é resgatada após sofrer golpe e passar 6 meses em trabalho forçado

 

A Polícia Civil em Mato Grosso do Sul resgatou, nesta terça-feira (4), uma advogada de 56 anos que estava trabalhando em uma chácara na cidade de Água Clara, a 192 km de Campo Grande, em situação análoga à escravidão.

 

Os policiais chegaram ao local após uma denúncia anônima e confirmaram que a mulher estava na situação descrita. Segundo a equipe que investiga a ocorrência, a vítima, que teve a identidade preservada, contou que sofreu um golpe ao ser convidada para trabalhar em um escritório na região, há cerca de seis meses.

A mulher é natural de São Paulo, mas estaria morando na Bahia antes de se mudar para Água Clara após aceitar a suposta oferta de emprego. Desde então, ela vivia em situação análoga à escravidão na zona rural da cidade de pouco mais de 15 mil habitantes.

 

Segundo o depoimento da vítima, ela vinha sofrendo constantes agressões por parte do suposto contratante. Ela foi resgatada pelas autoridades policiais e encaminhada até a delegacia da cidade para fazer uma denúncia formal.

 

Na declaração oficial à polícia, ela contou que após sua chegada, quando soube que o trabalho no escritório de advocacia não existia, o homem que intermediou a vaga teria proposto que ela trabalhasse na chácara.

Diante da situação, ela aceitou, mas acabou trabalhando por seis meses sem salário e sofrendo com as agressões.

 

A advogada deu detalhes do que sofreu nos meses em que esteve no imóvel e revelou que chegou a ser agredida com um porrete durante um momento de estresse do proprietário do local. Os policiais que atenderam a ocorrência afirmaram que ela estava muito assustada.

 

A Polícia Civil não efetuou a prisão do dono da chácara em flagrante, mas abriu um inquérito. O homem, que não teve a identidade divulgada, será investigado pelo crime de redução à condição análoga à de escravo e por lesão corporal grave. Somadas, as penas podem chegar a 13 anos.




NOTÍCIAS RELACIONADAS

POLÍCIA Peixe símbolo de pescarias, pintado entra para lista de animais ameaçados de extinção no Brasil Inclusão da espécie é questionada pelo governo de Mato Grosso do Sul, destino popular entre pescadores
POLÍCIA Em Itapaci, empresário é preso suspeito de manter relações sexuais com criança de 11 anos SUSPEITO - Nesta terça-feira (17), a Policia Civil (PCGO) por meio da Delegacia de Policia de Itapaci, cumpriu mandado de prisão preventiva em desfavor de empresário do ramo de motéis na cidade de Itapaci pelo crime tipificado no artigo 217-A do CPB.
POLÍCIA Duas pessoas são presas após furto de mais de 1 tonelada de queijo no Assentamento Santa Marta, em Mundo Novo CRIME - A Polícia Civil de Goiás, por meio da Delegacia de Nova Crixás, e com o apoio da Regional de Ceres, deflagrou, na terça-feira (26), a Operação Salmoura, com o objetivo de cumprir mandado de prisão temporária e mandados de busca e apreensão domicil
EDIÇÃO IMPRESSA
COLUNISTAS E ARTICULISTAS


EXPEDIENTE
(62) 98310-3817 Redação
(62)99819-1345 Colunas
contato@imprensadocerrado.com.br

Praça Inácio José Campos Qd. 15-S - Centro.
CEP: 76.510-000 - Crixás - Goiás