Ir para a Home
Quarta-Feira, 17 de Agosto de 2022

A pedido do MP, Justiça manda município de Itapaci suspender contrato com empresa de fachada



A pedido do MP, Justiça manda município de Itapaci suspender contrato com empresa de fachada

 

 

 

Pedido de tutela provisória antecipada em caráter antecedente proposta pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO), por intermédio da Promotoria de Justiça de Itapaci, foi atendido pela Vara das Fazendas Públicas daquela comarca, para suspender a execução de contrato entre a prefeitura e a empresa Luiz Henrique Alves de Aguiar Eireli, nome de fantasia Green Construtora. O município está proibido de solicitar e adquirir material de construção da empresa, bem como de fazer qualquer pagamento.

 

A tutela provisória antecipada em caráter antecedente foi proposta em desfavor do município de Itapaci e do prefeito Mario José Salles. De acordo com o promotor de Justiça Francisco Borges Milanez, notícia de fato anônima registrada na Promotoria de Justiça apontou que o Pregão Presencial 21/2021, realizado pelo município de Itapaci para aquisição de material de construção e reforma do prédio da prefeitura, teria sido fraudado e direcionado para beneficiar o secretário municipal de Indústria e Comércio, Gilson de Paula Alves. Ele é sócio-proprietário de uma empresa que atua nestes dois segmentos na cidade.

 

O MP-GO apurou que o secretário teria favorecido a participação da empresa Luiz Henrique Alves de Aguiar Eireli, a Green Construtora, que ganhou a licitação no valor de R$ 1.307.859,51. Além disso, ele teria designado um funcionário de sua loja, que é motorista de caminhão e reside na chácara da família, para participar e vencer o certame.

 

Titularidade transferida

 

Foi apurado que Luiz Henrique Alves de Aguiar foi o ganhador exclusivo do fornecimento de muitas mercadorias do único certame de que participou. A Green Construtora, segundo o promotor de Justiça, funciona em uma sala localizada em uma galeria que pertence a Gilson de Paula Alves, e que tem apenas uma funcionária, a esposa do secretário da Indústria e Comércio, que também é responsável pelas vendas de produtos para a prefeitura.

 

Segundo Francisco Borges Milanez, em razão da proibição legal expressa de participação na licitação, o secretário designou o funcionário de sua loja de material de construção para participar e vencer as licitações. Para viabilizar o procedimento, foi realizada a transferência da titularidade da empresa de fachada.

 

Ao proferir a decisão, o juiz Marcus Vinícius Alves de Oliveira afirmou que a documentação apresentada pelo MP-GO, sobretudo as declarações de Luiz Henrique Alves de Aguiar, apontam para a probabilidade do pedido. Além disso, segundo o magistrado, é necessária a intervenção do Poder Judiciário para impedir que a situação ilegal se perpetue. (Texto: João Carlos de Faria/Assessoria de Comunicação Social do MP-GO)

Foto: Divulgaçao 




NOTÍCIAS RELACIONADAS

JUSTIÇA Mineradora terá de pagar mais de 1,5 mil exames após rio ser contaminado e população passar mal em Campos Verdes, diz decisão Juiz determina ainda que mineradora deve apresentar as providências adotadas sobre a segurança da barragem de rejeitos. Moradores relatam dores de cabeça, febre e doenças gastrointestinais.
JUSTIÇA MPGO denuncia policial que aplicou golpe em colegas da ROTAM e causou prejuízos de mais de R$ 1 milhão ACUSAÇÃO - O Ministério Público de Goiás (MPGO) ofereceu nesta sexta-feira (29/7) denúncia contra o cabo da polícia militar Francisco de Assis Jesus dos Santos Soares de Oliveira.
JUSTIÇA Mundo Novo paga 4 vezes mais por show sertanejo Prefeitura da cidade pagou R$ 118 mil pela apresentação da dupla PH e Michel no dia 10 de junho; um mês atrás, o valor médio pago por outras cidades do interior do estado era de R$ 30 mil
EDIÇÃO IMPRESSA
COLUNISTAS E ARTICULISTAS


EXPEDIENTE
(62) 98310-3817 Redação
(62)99819-1345 Colunas
contato@imprensadocerrado.com.br

Praça Inácio José Campos Qd. 15-S - Centro.
CEP: 76.510-000 - Crixás - Goiás